Presidenta sanciona lei que torna música gospel manifestação cultural



Magno Malta entre os irmãos Rayssa e Ravel, icones da música gospel
Magno Malta entre os irmãos Rayssa e Ravel, icones da música gospel
Para o senador Magno Malta (PR/ES), o projeto de lei do ex-deputado Bispo Robson Rodovalho (PP/DF), fundador do Ministério Sara Nossa Terra, é o reconhecimento oficial de um  Estado Laico que acaba com o preconceito cultural contra melodia, harmonia e ritmo sublimes que inspiraram fortemente os principais estilos da canção popular

Senador Magno Malta, músico profissional há mais de 30 anos, autor de dezenas de letras e discos, aplaudiu a iniciativa da Presidenta Dilma Rousseff, ao sancionar a lei que quebra de vez no Brasil o estigma contra o gospel, um gênero musical de conteúdo religioso que nasceu nos Estados Unidos no Século 20.  “Agora os artistas gospel também vão ser beneficiados pela Lei Rouanet que, vergonhosamente, não reconhecia os eventos relacionados ao estilo musical de composições feitas para expressar a fé cristã”, comemorou Magno Malta.

O decreto da presidente Dilma Rousseff que reconhece a música gospel e os eventos relacionados ao estilo como manifestação cultural foi publicado nesta terça-feira no Diário Oficial da União.  Na prática, a lei trata a música gospel com igualdade e promove apoio financeiro de empresas por meio de mecanismos de incentivo.

O gospel influenciou fortemente os principais estilos da canção popular norte-americana, como o rhythm'n'blues, o rock'n'roll e a soul music. Além de interpretações de Elvis Presley, Ray Charles e Sam Cooke, a canção gospel destacou-se também nas  vozes de Aretha Franklin e Mahalia Jackson. Já a música erudita brasileira nasceu nas igrejas, com o barroco mineiro e baiano. Prosseguiu como banda sinfônica e música de salão no século 19. Seu grande compositor do período, Carlos Gomes, foi em verdade um dos elos da evolução da ópera na Itália. Leopoldo Miguez tinha fortes vínculos com a estética wagneriana.O nacionalismo só se esboça com Alberto Nepomuceno e ganha força com Heitor Villa-Lobos, o mais representativo do modernismo

“Foi um gesto de lealdade e justiça da Presidenta da República. Ela somente reconheceu que a música gospel tem se disseminado no Brasil e isso significa que grande parcela da sociedade é admiradora do estilo musical. Eu. Pessoalmente, gostei da iniciativa do ex-deputado Rodovalho, com absoluta certeza, pois vem para tratar o artista gospel com o mesmo respeito que são tratados os músicos sertanejos, clássicos, populares e outros estilos mais jovens. Música, com mensagens positivas, são remédios para alma, independente da crença. Estou feliz com a publicação da nova lei, uma clara demonstração de que estamos vencendo a intolerância, o preconceito e a discriminação de alguns setores sectários”, concluiu o senador Malta.

Fonte: Assessoria de Imprensa
======================================